quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Um banquete chinês em casa


E que tal experimentar fazer a comida chinesa em casa?

O sabor é diferente daquele a que estamos habituados quando vamos ao restaurante, até porque as adaptações aos paladares lusos foram muitas, nomeadamente na introdução da cebola, que é um ingrediente muito pouco usado pelos chineses.

Não é de todo difícil de fazer e também não fica muito caro, apenas é necessário ter os ingredientes e um wok.

A comida chinesa é aquilo a que se chama uma comida de alto rendimento, para além de ser extremamente saudável.

Para os Spring Rolls (Crepes):
Massa:
380 g farinha de trigo
220 ml água
1/2 ovo batido (30 g)

Amassar todos os ingredientes até obter uma massa lisa e macia. Deixar descansar cerca de 30 minutos e estender muito fina. Cortar quadrados de 20x20 cm.

Recheio:
60 g banha
300 g carne de porco picada
200 g rebentos de soja (1 lata)
4 ramos de cebolinho
1 cl. chá sal grosso
1 1/2 cls. chá molho de soja
1 cl. chá pimenta preta
1 1/2 cl. chá açúcar areado
185 g cogumelos laminados picados (1 lata)
200 g rebentos de soja (1 lata)
100 g couve chinesa cortada em juliana
12 camarões 40/60 picados (160 g)

Aquecer a banha no wok. Cozinhar a carne de porco temperada com o sal durante cerca de 2 minutos, mexendo sempre para não engrumar.
Juntar todos os outros ingredientes e cozinhar 2 minutos. Retirar do lume, deixar arrefecer, de preferência num passador, e dividir em 10 porções.
Convém que o recheio esteja seco e sem molho antes de ser colocado sobre a massa.

Chow Mein de Frango (versão económica)
Chow Mein significa noodles fritos. (Chow - fritar / Mein - noodles)
375 g egg noodles (1 embalagem de massa chinesa Sharwood)
2 cls. sopa óleo
3 peitos de frango laminados
2 cls. sopa molho de soja
185 g cogumelos laminados
200 g rebentos de bambú
200 g couve chinesa cortada em juliana
200 g rebentos de soja (1 lata)

Numa panela ferver bastante água temperada com sal. Cozer a massa por 2 minutos, escorrer e passar por água fria. Estender sobre um pano a secar.
Temperar o frango com o molho de soja (uso o da Amoy - dark).
Aquecer o óleo no wok e fritar rapidamente o frango. Remover o frango e adicionar ao wok todos os vegetais, deixando reduzir o volume. Voltar a introduzir o frango e misturar.
Numa frigideira colocar 1 cl. sopa de óleo e fritar ligeiramente a massa.

Arroz Chau Chau (como estamos habituados)
Arroz branco (1 chávena de arroz agulha cozido)
1 fatia de fiambre da pá com 5 mm de espessura em cubos
3 ovos para fazer 3 pequenas omeletes cortadas em quadrados.
No wok colocar o fiambre e doirar um pouco, juntar as omeletes cortadas, temperar com molho de soja a gosto (1 cl. sopa) e juntar o arroz.

NOTA: Se usarem os ingredientes frescos, em vez de enlatados, os sabores ficam ainda melhores, mas neste dia apeteceu-me chinês e não estava com muito tempo!

As receitas são de um livro editado pela Penguin em 1972, intitulado Chinese Cooking, com autoria de Kenneth Lo.



segunda-feira, 20 de agosto de 2012

E vai um gelado de straciatella caseiro?



Para quem tem calor e uma máquina de gelados!

240 ml leite gordo
100 g açúcar areado
250 ml natas Longa Vida
400 ml natas UHT
1 cl. chá essência de baunilha
5 gemas
150 g chocolate culinário

Numa panela aquecer o leite, as natas Longa Vida, o açúcar e a essência de baunilha. Tapar e deixar arrefecer cerca de 30 minutos.

Bater as gemas e juntar o preparado anterior reaquecido mexendo sempre para não talhar as gemas. Levar novamente ao lume e cozinhar em lume brando até que o creme cubra as costas da colher.

Coar por um passador e adicionar as natas restantes. Levar ao frigorífico destapado e deixar por 6 horas. Ao fim deste levar o preparado à máquina de gelados e deixar por 30 a 40 minutos.

20 minutos antes da máquina acabar de mexer o gelado aquecer o chocolate em banho maria e deixar derreter completamente. No fim do tempo da máquina adicionar o chocolate quente em fio para fazer os flocos de chocolate.

Transferir o gelado para um recipiente com capacidade para 1 litro e levar ao congelador por 4 horas antes de servir.

Fica super delicioso e muito cremoso!

domingo, 19 de agosto de 2012

Mousse de Manga

Está calor!

Apetece-me comer coisas frescas, leves, cremosas e saborosas!

Desta vez tinha em casa uma manga bem madura e todos os ingredientes que precisava para fazer uma fresquíssima Mousse de Manga.


Para esta mousse precisei de:
1 lata de leite condensado (Nestlé)
4 ovos L
1 saqueta de gelatina de frutos tropicais (Royal)
250 ml de água
2 folhas de gelatina (4 g)
1 lata grande de polpa de manga
1 manga madura


Dissolver a gelatina de frutos tropicais nos 250 ml de água a ferver e deixar arrefecer. Demolhar as 2 folhas de gelatina em água fria e depois juntar à gelatina de frutos tropicais e derreter completamente.

Numa taça bater as gemas com o leite condensado. Adicionar a gelatina, mexendo bem durante o processo. Juntar a polpa de manga e incorporar as claras batidas em castelo bem firme. Por fim adicionar a manga em pedaços pequenos e misturar.

Deitar numa taça e levar ao frigorífico, de preferência de um dia para o outro.


O resultado final é esta linda mousse de cor rica e muito fresca e arejada. Uma verdadeira bomba calórica que sabe tão bem!


sábado, 18 de agosto de 2012

Doces Caseiros - Compota de Pêssego

Ontem fui ao mercado local e comprei uns pêssegos, agora é época deles e estes têm feito sucesso junto do meu filhote.

Uma das compotas preferidas da minha mãe era a de pêssego e eu cresci a comer este doce, mas gosto de acompanhar com queijo da ilha, assim tenho o doce e o salgado.

Sendo que comecei agora a fazer destas para oferecer e para quem quiser comprar, em vez de fazer, decidi engalanar os frascos e fui comprar uns tecidos alegres e alguma serapilheira para conferir um ar mais rústico aos lindos boiões.

A receita do Doce de Tomate já a publiquei aqui neste espaço, agora deixo a da Compota de Pêssego.

2,5 Kg de pêssego
700 g açúcar
1 limão (sumo)
2 paus de canela

Lavar, descascar, descaroçar e cortar os pêssegos em pedaços.

Numa taça juntar o pêssego, o açúcar e o sumo de limão e deixar repousar cerca de 1 hora, depois de tudo bem misturado. Ao fim deste tempo colocar tudo numa panela alta e levar ao lume. Deixar levantar fervura, baixar o lume para uma chama média e continuar a ferver por cerca de 25 minutos não esquecendo de escumar a espuma que se forma durante este tempo.

Depois de feito é só passar a varinha mágica levemente para desfazer alguns dos pedaços, deixando sempre alguns grandes e encher os frascos esterilizados. Depois de cheios e tapados ferver novamente para pasteurizar, garantindo uma maior validade dos doces que podem ficar guardados durante alguns meses em local fresco e seco!

E olhem como os boiões de Doce de Tomate ficaram também tão giros!

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Receber sem Trabalho!

Por estes dias fui contactada por uma senhora cuja filha iria fazer 13 anos e que queria fazer uma pequena festa para 25 pessoas em casa. As sobremesas, o bolo e alguns grelhados já estavam agendados, mas faltava alguma comida, uns pratos quentes e uns salgadinhos de aperitivo para os convivas.

Perante a falta de disponibilidade para fazer em casa por causa dos horários de trabalho e conciliação de tarefas esta senhora contactou-me e pediu-me algumas coisas para ter na festa.

Deixo-vos as fotos dos apetitosos salgadinhos e pratos quentes que fiz. Se quiserem mais informações podem sempre contactar-me para o endereço de e-mail celsmorais@gmail.com ou através da página do facebook.

a massa caseira, estendida fina e os recheios sem corantes, nem conservantes, tal como sempre fiz em casa! Já para os croquetes carne para estufar comprada para o efeito, nada de sobras, e um pedaço de chouriço tradicional com pouca gordura. Os pastéis de bacalhau não são de batatalhau, aliás, têm apenas a necessária e suficiente para aglomerar os pastéis. As receitas de base destes salgadinhos são todas da minha avó paterna, uma cozinheira de mão cheia!

Mas também estiveram presentes nesta mesa os pratos quentes.
O Arroz de Pato à Maneira, aonde o pato não é cozido, é estufado com azeite, alho e vinho branco, conferindo um sabor ao arroz completamente distinto daquele a que estamos habituados e coberto com rodelas de chouriço tradicional de Arganil
Já o Bacalhau com Natas à Maneira é uma receita minha aperfeiçoada ao longo dos anos e que fica delicioso. Por questões de saúde na família, nomeadamente colesterol elevado, arranjei maneira de ter todo o sabor com uma quantidade mínima de natas e acreditem, o resultado é mesmo à maneira!
Para finalizar e porque havia alguns miúdos, uma travessa de Lasanha Bolonhesa com extra queijo e massa fresca.
Quem gostaria de ter comido esta comida sei eu quem era! Apenas provei umas miniaturas que fritei a mais para testar o sabor!

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Arroz de Tomate Soltinho

Hoje ao jantar fiz uns douradinhos daqueles congelados que o meu filho adora e que passa a vida a pedir e para acompanhar um rápido e económico arroz de tomate.
1 chávena de arroz agulha (250 g)
50 ml azeite de oliveira
115 g cebola picada fina
200 ml polpa de tomate
1 chávena de água (350 ml)
1 cl. chá pimenta preta
1/2 cl. chá sal marinho

Numa panela cobrir o fundo com o azeite e aloirar a cebola. Deitar a polpa de tomate e temperar com o sal e a pimenta, deixando apurar um pouco. Adicionar então a água (sim, a mesma quantidade de água que de arroz!) e deixar ferver.

Quando a água estiver em ebulição adicionar o arroz bem lavado, sem vestígios de goma, tapar a panela e baixar o lume ao mínimo. Ao fim de 20 minutos o arroz está cozido e solto. Retirar do lume e remover a tampa da panela por completo.

Mesmo removendo a tampa o arroz não arrefece e também não continua a cozer - é a garantia de um arroz não empapado. Se quiser o arroz malandro, então dobre a quantidade de água (2 chávenas = 600 ml).

Como hoje também descobri uma calculadora de calorias na net achei que devia começar a dar a informação nutricional das receitas que aqui vou publicando!

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Donuts Saudáveis ;o)

Quem disse que um donut não pode ser saudável?

Adoro donuts leves, frescos e fofos, mas gosto de ser eu a fazê-los. Já tinha experimentado fazer fritos - ficam bons, mas hoje fiz uns que estão mesmo fantásticos e com as características todas. E não foram fritos, foram assados no forno!

O resultado foi este:
18 magníficos donuts polvilhados com açúcar confeiteiro

Para os que querem fazer aqui fica a receita:

650 g farinha de trigo
11 g levedura sêca (1 saqueta)
180 g açúcar areado
250 ml leite morno
2 ovos grandes
2 cls. sopa óleo de girassol
30 g manteiga sem sal
1cl. chá essência de baunilha
1 cl. chá sal fino
1 cl. chá noz moscada moída

Numa taça dissolva a levedura no leite morno - o leite deve estar apenas morno para não "matar" o fermento!

Noutra taça maior junte os ingredientes secos - farinha peneirada, açúcar areado, sal fino e noz moscada e misture bem.

Quando a levedura estiver dissolvida adicione os ovos, o óleo de girassol, a manteiga derretida e a essência de baunilha e bata bem. Junte à farinha e amasse bem. Deixe a massa levedar durante 1 hora.

Numa superfície ligeiramente polvilhada com farinha estenda a massa com uma espessura de cerca de 1,5 cm e corte círculos retirando os centros com outro aro mais pequeno. Disponha os donuts num tabuleiro coberto com uma folha de papel vegetal para bolos e deixe levedar mais 90 minutos.

Leve os tabuleiros ao forno pré-aquecido a 180ºC durante 15 minutos ou até estarem dourados. Retire do forno e coloque sobre uma rede de descanso para bolos, deixando arrefecer um pouco e polvilhe com açúcar confeiteiro (icing sugar).

Bons donuts!

Atenção: não desrespeitar os tempos para acelerar o processo - a massa de donuts é uma massa lêveda, requer tempo para que os organismos vivos da levedura trabalhem e façam a massa crescer como deve ser, arejando-a durante o processo.
Nota: Esta receita é uma compilação de várias receitas publicadas na internet em sites e blogs, sendo que as medidas foram todas convertidas para a unidade usada em Portugal, o Kg (unidade do sistema internacional)

domingo, 12 de agosto de 2012

Rolinhos de porco

Aqui está uma receita rápida e fantástica, para quando se tem no frigorífico algumas coisas que têm de ser consumidas! Neste caso tinha um pedaço de lombo de porco, uma peça de pá de porco fumada e queijo grana padano e uma garrafa de espumante que uma amiga me deu!

Do lombo de porco cortei 8 bifinhos com cerca de 5 mm de espessura que coloquei ensanduichados entre duas folhas de película aderente e que bati com o rolo da massa até ficarem mais finos e maiores. Cortei então 8 fatias da pá fumada - pode substituir-se por fatias de fiambre da pá com cerca de 2 mm de espessura - e dispus as mesmas sobre os bifinhos, colocando em seguida um pedaço de queijo ralado por cima. Enrolei os bifinhos e fechei-os com um palito colocado no sentido longitudinal.

Numa taça à parte juntei as seguintes ervas e especiarias:
1 cl. chá sal marinho
1 cl. chá pimenta preta moída
1 cl. chá pimenta da jamaica moída
1 cl. chá paprika
1 cl. sopa alho em pó
1 cl. sopa pimentão doce
1 cl. chá orégãos secos
1 cl. chá tomilho seco
1 cl. café sementes de mostarda amarela moídas

Sobre a película despejei esta marinada seca bem misturada e passei os bifes enrolados. Reguei com um fio de azeite e misturei bem.

Numa frigideira com um pequeno fio de óleo selei os bifinhos e coloquei numa assadeira. Na frigideira deitei cerca de 150 ml de espumante, 1 cl. chá de condimento de mostarda de dijon e cerca de 100 ml de leite e deixei levantar fervura. Adicionei então 200 ml de natas UHT e uma noz de manteiga e deixei apurar um pouco. Com o molho obtido reguei os rolinhos de levei ao forno a 200ºC durante 20 minutos.
Já no prato o resultado é este!

Bolo de Maçã e Canela

E há combinação melhor que Maçã e Canela?

Fui desafiada por uma amiga a fazer um bolo de canela, mas como tinha maçãs em casa, fiz um de maçã e canela. Para tal fui perguntar ao Sr. Google se tinha alguma boa receita para mim, uma vez que as que tenho comido não me satisfazem!

Sendo fã do Cake Boss - Buddy Valastro - fui procurar directamente uma receita dele, afinal de contas algum motivo há para que a pastelaria de família exista há 100 anos!!!

Posso dizer que é um bolo fantástico, não cresce muito, mas fica extremamente macio e suficientemente húmido no interior. A única "alteração" que fiz foi não acrescentar o miolo de noz tostada, uma vez que não acho muita piada aos frutos secos dentro dos bolos!

Também tive de confeccionar o applesauce (puré de maçã). Deixo-vos aqui as receitas do puré de maçã, que se pode conservar no frigorífico num frasco esterilizado por alguns meses. Para ambas as receitas usei a nossa maçã reineta, que considero ser a melhor para confeccionar sobremesas! (Esta foi uma substituição, não uma alteração!)

Applesauce - Puré de Maçã Caseiro
500 g maçã reineta descaroçada, descascada e cortada em cubos
4 tiras de casca de limão
1 cl. sopa sumo de limão
1 pau de canela
30 g açúcar amarelo
25 g açúcar areado branco
250 ml água
1/2 cl. chá sal fino

Numa panela colocar todos os ingredientes, mexer e deixar levantar fervura. Baixar o lume ao mínimo e deixe cozinhar em lume brando cerca de 15 minutos, mexendo de vez em quando.

Pode preservar em frascos de vidro esterilizados e depois fervidos.

Bolo de Maçã e Canela
270 g farinha de trigo (2 cups)
220 g açúcar areado branco (1 cup)
100 g açúcar amarelo (1/2 cup)
1 1/4 cl. chá fermento Royal
1/2 cl. chá sal fino
1 cl. chá canela em pó
1/4 cl. chá noz moscada em pó
1/4 cl. chá pimenta da jamaica em pó
1/4 cup óleo de girassol
2 ovos grandes
140 g puré de maçã (1/2 cup)
3 maçãs reinetas descaroçadas, descascadas e cortadas em cubos pequenos

Na taça da batedeira eléctrica juntar e misturar todos os ingredientes secos - farinha, açúcares, fermento, sal fino e especiarias.

Numa outra taça bater os ovos com o óleo de girassol e o puré de maçã. Adicionar este preparado aos ingredientes secos e bater até obter uma massa homogénea e arejada. Por fim, adicionar as maçãs cortadas em cubos pequenos e envolver bem com uma espátula.

Cozer em forno pré-aquecido a 150ºC durante cerca de 1 hora, ou até estar seco ao centro, em forma untada e polvilhada.

Este bolo, como tantos outros com fruta tem tendência para crescer mais ao centro, para evitar esta situação costumo usar um truque da minha avó - depois de despejar a massa na forma e antes de colocar no forno abro uma pequena cova ao centro, assim o crescimento é mais homogéneo!






sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Chiffon de Chocolate



Confesso que não gosto muito de fazer bolos, mas os que faço ficam bons, até porque as receitas são muito boas, provenientes de familiares ou amigos que não são egoístas e partilham o que fazem.

Acho que é na partilha de receitas que conseguimos salvaguardar as nossas receitas e os nossos tesouros culinários. Esta receita de chiffon de chocolate é de uma amiga da minha mãe.

Todas as medidas são em cups e spoons ingleses (não tenho conversão para gramas) e não dá usar chávenas de porcelana, o resultado não é o mesmo! Actualmente já se vendem estas medidas em várias superfícies comerciais - estou a lembrar-me da Casa e da Área, passando a publicidade!

Ingredientes:
1 3/4 cups farinha de trigo
1 3/4 cups açúcar areado
3 tsp fermento Royal
1 tsp sal fino
1 cup óleo de girassol
3/4 cups cacau em pó
3/4 cups água quente
1 tsp essência de baunilha
7 ovos (claras em castelo)

Na taça da batedeira eléctrica colocar os ingredientes secos - farinha, açúcar, fermento e sal fino e misturar bem. Abrir um buraco ao centro e introduzir os líquidos - óleo, cacau dissolvido na água, essência de baunilha e as gemas. Bater bem até obter uma massa arejada e leve.

À parte bater as claras em castelo firme numa taça grande. Depois de testar o ponto das claras (virar a taça sobre a cabeça sem medos!) deitar a massa sobre as claras e incorporar lentamente - não queremos que as claras percam o ponto!

Deitar numa forma grande de buraco não untada e levar a cozer 50 minutos a 150º C (forno pré-aquecido). No final o bolo deve estar cozido, mas húmido! Depois de pronto retirar do forno e deixar arrefecer completamente na forma sobre uma rede de descanso para bolos.

Para cobrir é só usar a imaginação! Aqui usei a receita de ganache de chocolate do meu site favorito - joyofbaking (http://www.joyofbaking.com/)

Agora é só fazer!

Carne de Porco à Alentejana


Uma deliciosa combinação de origem lusa. A carne de porco combinada com as amêijoas e acompanhada de batata frita em cubos e de azeitonas.

É um prato económico e simples de fazer e resulta sempre bem. O segredo está na marinada da carne.

1 Kg de carne de porco em cubos (evitar o lombo!)
1 Kg amêijoas congeladas (uso a Vietnamita congelada que é mais económica)
1 cl. sopa massa de pimentão (uso a da Quinta d'Avó)
7 dentes de alho
1 cl. sopa de colorau (pimentão doce)
1 folha de louro
200 ml de vinho branco
sal grosso e pimenta preta q.b.
2 cls. sopa de banha (sim, a banha já foi reabilitada, é uma gordura 100% natural)

Esmagar os dentes de alho com o sal (atenção ao sal, a massa de pimentão é salgada) e temperar a carne com a pasta obtida, o colorau, a massa de pimentão, a folha de louro, a pimenta moída fresca e o vinho tinto. Normalmente deixo marinar 24 horas, mas se não tiver tempo deixe, pelo menos, 1 hora.

Numa panela aquecer a banha e fritar a carne escorrida da marinada até estar bem selada. Adicionar então a marinada, baixar o lume e deixar cozinhar em lume brando até que a carne esteja tenra. Deitar então as amêijoas ainda congeladas, mas lavadas, e deixar abrir (cerca de 5 minutos).

À parte fritar as batatas em cubos com cerca de 1,5 cm de lado, temperadas com sal grosso a gosto.

Acompanhe com azeitonas, neste caso mistas, conservadas em água com sal, azeite, alho e orégãos e escolha um bom vinho, aqui optei por um tinto alentejano!

O resultado é delicioso...

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Lombardo de 2 maneiras

Cá em casa há quem goste de salsichas enroladas em lombardo, mas só se usam algumas das folhas. O que fazer ao que sobra desta belíssima e muito saborosa couve? Há quem faça sopa, também se pode fazer arroz, ou usar numa feijoada (isto no Inverno!), mas eu tinha em casa uma farinheira e decidi por um prato de forno... lombardo gratinado com farinheira.
Para as salsichas enroladas em lombardo precisei de:
1 cebola média picada fininha
150 g bacon em pedaços pequenos
7 dentes de alho
8 salsichas
8 folhas de couve lombarda
150 ml azeite
300 ml polpa de tomate
200 ml vinho branco
200 ml caldo de galinha caseiro
sal grosso e pimenta q.b.

Escaldar as folhas em água a ferver e remover a parte mais grossa dos talos. Enrolar uma salsicha por folha e reservar. 

Numa panela cobrir o fundo com azeite e aloirar a cebola, o alho esmagado com sal e o bacon. Quando a cebola estiver transparente adicionar a polpa de tomate, misturar e colocar as trouxas de salsicha sobre o refogado. Regar com o vinho branco e o caldo de galinha e deixar cozer até que a couve esteja cozida.

Para o lombardo gratinado com farinheira foi necessário o resto da couve, 1 farinheira e algum molho branco.

Depois de lavar, cortar em quartos e tirar os talos, levei a couve a cozer em água temperada com sal até estar bem tenra, tendo cortado grosseiramente em seguida.

Numa panela à parte cozi a farinheira que tinha no frigorífico e, ainda quente, retirei a pele e "piquei" o recheio.

Na assadeira coloquei metade da couve, depois a farinheira bem espalhada e, seguidamente, o lombardo restante. Reguei tudo com molho branco feito com 500 ml de leite, 1 colher de sopa de margarina e 2 colheres de sopa de farinha, temperado com sumo de meio limão, sal grosso, pimenta preta moída fresca e noz moscada ralada na hora.

Foi ao forno a gratinar a 180ºC durante 30 minutos e ficou delicioso!